Teatro Nacional do Japão

Todo ano, o Teatro Nacional do Japão (National Theater of Japan, Kokuritsu Gekijou ou 国立劇場) faz um dia de apresentação dos alunos dos cursos de artes tradicionais japonesas que o teatro promove. Este curso é de graça para jovens de 13 a 23 anos que querem se transformar em profissionais de artes como Kabuki como uma tentativa para reviver as artes tradicionais.

A apresentação aconteceu no próprio teatro, localizado perto da estação Hanzomon (半蔵門駅) do metrô, no anfiteatro menor do complexo do teatro, e teve início às 11 horas da manhã. A apresentação contou com alunos da vigésima turma de Kabuki, quinta turma de Nagauta Shamisen, e sexta e sétima turmas de Daikagura, além de algumas outras performances.

Frente do Kokuritsu Gekijou

Cortina do palco do Kokuritsu Gekijou

A entrada, por sinal, foi de graça. Mas para concorrer, foi preciso enviar um oufuku hagaki para o teatro, e o ingresso é sorteado entre todas as pessoas que enviaram o cartão postal.

As apresentações foram as seguites:

  • Kabuki (歌舞伎): Um dos tipos de teatro tradicionais do Japão. Foi apresentada uma versão reduzida de Kabuki, com duração de 1h30. Sim, a versão reduzida tem uma hora e trinta minutos, porque as versões originais duram metade de um dia a um dia inteiro. Mas foi bem interessante, tirando o fato que o japonês é quase incompreensível, e se não fosse a minha professora de shamisen do lado explicando, eu não teria entendido muita coisa.
  • Nagauta (長唄): Um dos estilos de shamisen, tocado com o shamisen de braço fino – o estilo que eu toco, por sinal. Tiveram apresentações de três músicas.
  • Takemoto (竹本): Outro estilo de shamisen, tocado com o shamisen de braço longo – o mesmo que os Yoshida Brothers usam, mas o estilo de música é completamente diferente.
  • Tachi Mawari (立ち回り): Cenas de lutas do Kabuki, é algo como uma mistura de arte marcial, artes cênicas e dança. Bem interessante, principalmente quando os lutadores fazem piruetas.
  • Daikagura (太神楽): Arte de malabarismo japonês. Ou seja, equilibrar potes em cima de varas seguradas na boca, ou rodar bolas e aros em cima de guarda-chuvas.
  • Nihon Buyou (日本舞踊): Uma das danças tradicionais japonesas executada no palco (ao contrário de danças como o Bon Odori).
  • Goshuugi (御祝儀): O goshuugi significa basicamente celebração, e uma das tradições nessas ocasiões é o Shishimai (獅子舞), uma dança feita por duas pessoas interpretando um leão.

Os pontos interessantes dessas apresentações de ontem:

  • Os alunos-atores todos tinham menos de 25 anos (de acordo com o programa), o mais novo tendo 17 anos, e todos eles fazem o curso há não mais que 2 anos.
  • Os alunos do curso de Kabuki apresentaram além de Kabuki, um pouco de Nagauta, o Tachi Mawari e o Nihon Buyou. Eles basicamente aprenderam a atuar, cantar, dançar, fazer acrobacias e tocar shamisen, e decoraram todas as rotinas. Inclusive o menino de 17 anos que é aluno há um ou dois anos.
  • Para aqueles que já viram um daikagura com uma bola sendo equilibrada em cima do guarda-chuva, saiba que é possível fazer também com um “copo” de saque. Sim, aquele quadrado rodando em cima do guarda-chuva.
  • Lição aprendida: Se alguma vez vocês assistirem Kabuki, e algum personagem entrar no palco através de um buraco do chão, este personagem é um fantasma, raposa ou algum ser sobrenatural. Aliás, raposas sabem se transformar em seres humanos.

Pontos turísticos de Tóquio e arredores

Estou escrevendo este post porque de vez em quando, algum conhecido vem para Tóquio e me pergunta quais lugares existem para se visitar. Então, para referências futuras, vou deixar os pontos turísticos escritos aqui:

Na região central de Tóquio:

  • Shinjuku: Bairro com diversas lojas de departamento e opções de compras. Onde fica o prédio do governo de Tóquio (Tocho ou 都庁), que dá para subir de graça e ter uma boa de vista da cidade.
  • Shibuya: Bairro jovem onde fica a estátua do Hachiko e o cruzamento mais movimentado do Japão.
  • Harajuku: A Takeshita Doori é conhecida por ser um ponto fashion (dependendo do ponto de vista, obviamente) de Tóquio. Ela é paralela a Omotesando, e perto de Shibuya.
  • Omotesando: Rua com lojas de grife, parecida com Ginza, paralela a Omotesando.
  • Meijijingu: Templo famoso de Tóquio que fica do lado de Yoyogi (parque onde grupos de Elvis dançam no fim de semana), Harajuku e Omotesando.
  • Ikebukuro: Bairro com diversas lojas de departamento e opções de compras, parecido com Shinjuku. Tem um aquário na Sunshine Street.
  • Asakusa: Templo mais famoso de Tóquio (Sensouji) e onde está a Tokyo Sky Tree.
  • Ueno: Parque com diversos museus e o zoológico onde estão os dois pandas.
  • Akihabara: Bairro dos eletrônicos, das lojas de artigos de anime e mangá e dos maid cafés.
  • Palácio Imperial: Auto-explicativo. Mas só dá para entrar no aniversário do imperador, 23 de dezembro.
  • Ginza: Bairro com lojas de grife, parecido com Omotesando.
  • Tokyo Tower: Torre famosa de Tóquio.
  • Roppongi: Lugar com baladas para estrangeiros. A Roppongi Hills tem boa vista da Tokyo Tower; perto da Tokyo Tower e de Tsukiji.
  • Tsukiji: Mercado de peixe onde acontece o leilão de atum; perto de Roppongi.
  • Odaiba: Ilha artificial com praia e diversas opções de lazer e compras, e vistas para a Rainbow Bridge e Tokyo Tower. Um passeio famoso é ir de barco desde Asakusa, descendo o rio Sumida até a ilha.

Nos arredores de Tóquio:

  • Kichijoji: Parque onde está o Museu do Estúdio Ghibli. Imperdível para fãs de Totoro. A oeste de Tóquio, 15 minutos de Shinjuku.
  • Kawasaki: Cidade onde está um museu de casas antigas japonesas ao ar livre (Nihon Minka-en) e o museu do Doraemon. A sudoeste de Tóquio, 20 minutos de Shinjuku.
  • Yokohama: Onde fica Minato Mirai, bairro futurista como Odaiba, o Landmark Tower, prédio mais alto do Japão, e a China Town. A sul de Tóquio, levando meia hora de Shibuya até a estação Yokohama.
  • Tokyo Disneyland e Disney Sea: Auto-explicativo, a meia hora leste da estação de Tokyo.
  • Kawagoe: Cidade antiga da era Edo, com rua de doces antigos japoneses. A meia hora norte de Ikebukuro.
  • Monte Takao: Lugar bom para hiking, fica cheio no outono por causa do momiji. A uma hora oeste de Shinjuku.
  • Enoshima e Kamakura: Templos, buda gigante e praia a uma hora sudoeste de Tóquio.

Em Kanto (e lugares relativamente perto):

  • Nikko: Conhecido pelo onsen, templos e pelo parque nacional. Bom lugar para ir no inverno. A duas horas de trem norte de Tóquio, em Tochigi.
  • Kinugawa: Lugar conhecido pelo onsen, pelo Tobu World Square (parque de miniaturas de construções) e pelo Edo Wonderland (parque temático da era Edo). Perto de Nikko, em Tochigi.
  • Hakone: Região com onsen, diversos pontos turísticos (como lagos e regiões vulcanosas) e boa vista para o Monte Fuji. A 80 minutos de Shinjuku em direção sudoeste, em Kanagawa.
  • Península de Izu: Praia e onsen em Shizuoka. De duas a três horas sul de Tóquio.
  • Chichibu e Nagatoro: Lugar com bastante natureza nos limites de Saitama. Uma hora e meia de Tóquio.
  • Karuizawa: Resort montanhoso em Nagano, destino comum no verão para muitos japoneses. A uma hora de shinkansen norte de Ueno.
  • Monte Fuji: Auto-explicativo, a umas duas horas de ônibus de Shinjuku, em Yamanashi ou Shizuoka. Além da montanha, existem diversos lagos ao redor.
  • Fuji-Q: Parque de diversões conhecido pelas montanhas-russa e pela casa mal assombrada. No meio do caminho de ônibus para o Monte Fuji, em Yamanashi.

Para quem quiser sugestões de lugares para comprar presentes, clique aqui!

À medida que eu for conhecendo melhor o resto de Kanto, eu posto aqui!