Móveis

Para quem quiser comprar móveis, vão aqui algumas dicas de lojas:

  • Lojas de usados: Dependem da região. Mas em geral, são mais baratas e tem itens bons. Só tomem cuidado que às vezes um item usado pode chegar a sair do mesmo preço de um novo de loja barata;
  • Nitori: Uma loja com móveis bons e baratos, e com o ponto positivo que você pode tanto ir na loja quanto pedir online;
  • Ikea: Rede sueca. Eu não parei para ver os produtos, mas em vários lugares do mundo são conhecidos por terem móveis relativamente baratos;
  • Nissen: Loja que o foco é roupa, mas é possível achar alguns móveis bem baratos. É bom também para comprar toalhas, futons, roupa de cama, etc. online;
  • Don Quijote: A loja vende de tudo a um preço razoavelmente bom. É um bom lugar para ver eletrodomésticos e talvez cama, mesa e banho;
  • Lojas online: Yahoo! Shopping, Kakaku e Rakuten possuem diversas lojas (ou indicam lojas online) – algumas com itens de preços bem acessíveis (créditos da dica para a Bianca, que me lembrou dessas lojas!).

Mais um detalhe: prestem muita atenção no preço da entrega dos móveis. Às vezes, o preço do artigo é baixo, mas a entrega não compensa.

Se vocês tiverem mais sugestões, deixem nos comentários!

[Atualizado em 11/10/2010]:

Para aqueles que vão se mudar para a região de Niiza (新座市) ou Shiki (志木市) em Saitama, existem algumas lojas de usados boas, como a Souko Seikatsukan (創庫生活館) e a Bibikku (ビビック), além de filiais do Don Quijote e Nitori. Existe também o Olympic (オリンピック), que possui diversas lojas incluindo um home center.

Takkyubin

Takkyubin (宅急便) é o famoso serviço de entrega de pacotes, encomendas ou seja o que quer que for dentro do Japão. Existem serviços de entrega de artigos grandes, artigos que devem ser mantidos gelados, etc., tudo chegando dentro de no máximo alguns dias para qualquer ponto do Japão. Dentro de Tóquio, às vezes é possível que chegue no mesmo dia.

Algumas empresas são: o correio através do seu serviço YuuPack (郵パック), que é talvez o mais barato de todos), o Kuroneko Yamato (クロネコヤマト) e o Sagawa (佐川).

A cobrança em geral é feita por tamanho de pacote (soma da altura, largura e profundidade), com um peso máximo a ser transportado. Uma mala de viagem de 140cm para dentro de Tóquio, por exemplo, sai por ¥1.400 pelo simulador do YuuPack, ¥1.580 pelo do Kuroneko e ¥1.530 pelo do simulador do Sagawa.

Você também pode ligar e pedir para virem buscar em casa (shuuka ou 集荷) ou você mesmo levar até a loja (mochikomi ou 持ち込み). Nesse último caso, você pode levar para as inúmeras konbinis e lojas que aceitam, como o Seven Eleven e Family Mart (só procurar pelo gatinho preto no caso do Kuroneko). Mas se você levar até lá, existe um desconto de ¥100 por pacote.

Em geral, você também pode escolher o horário de entrega (jikantai otodoke ou 時間帯お届け) e pagar na entrega (daikin hikikae ou 代金引換).

[Atualizado em 01/10/2010]:

O takkyubin veio aqui pegar as caixas da mudança. Se for o takkyubin do correio, tomem cuidado para que as caixas não passem de 170cm e 30kg! Agora é só esperar a entrega!

Lixos grandes

Muitos já devem saber sobre a divisão do lixo aqui do Japão. Outro ponto importante quando for jogar lixo fora é saber se o lixo for de tamanho grande (sodai gomi ou 粗大ごみ).

Entenda-se por “lixo grande” qualquer coisa acima de 30cm em qualquer uma das dimensões – o meu ventilador acabou virando lixo grande também. Não sei em todo o Japão é assim, mas em Setagaya é pelo menos.

Para jogar o lixo fora, você precisa entrar em contato com o centro de coleta (link para o centro de Setagaya). Você pode ligar para lá ou fazer tudo online. Se for fazer online, este link é para pedir para eles coletarem e este outro link é para caso você consiga levar o lixo até o centro de coleta, que fica na prefeitura de Setagaya.

No meu caso, eu acabei pedindo uma ajudinha para o pessoal do escritório do dormitório de Soshigaya. Eles ficaram de ligar por mim, e só pediram que eu comprasse um selo para lixo grande (sodai gomi seal ou 粗大ごみシール). No meu caso, por ser algo de pequeno, o selo foi o de ¥300. Para saber os valores para outras coisas, melhor dar uma ligada para o centro de coleta mesmo.

Censo Populacional

A cada 5 anos (anos com final 0 e 5), o governo japonês através do Ministério de Assuntos Internos e Comunicação realiza o censo populacional do Japão (Kokusei Chousa ou 国勢調査). Todos que devem responder este censo receberam o envelope em casa (estrangeiros inclusive).

Neste site existem informações inclusive em português de como preencher o papel, que deve por sua vez ser colocado em uma caixa de correio sem selo até o dia 7 de outubro. Se o formulário não for respondido até este dia, algum dia no futuro um agente passará na sua casa.

O formulário também está disponível online no site http://www.e-kokusei.go.jp. Para preencher online, você precisará de um papel que veio junto da carta escrito o código de acesso.

Suíça

Antes de voltar para o Japão, fizemos uma breve paradinha na Suíça (aproveitando também que tivemos que cruzar o mundo, por que não parar no meio, não?).

Nós pousamos todas as noites em Zurique (Zürich), maior cidade da Suíça, e fizemos bate-e-volta todos os dias para diversas cidades. Isso não é algo tão inviável assim, uma vez que todas as maiores cidades ficam a até 2 horas e meia de trem.

Visitamos primeiramente o cidade de Berna (Berne), capital do país. Perto da estação central, existe a cidade velha, onde se encontra o palácio federal e a casa onde Einstein morou. Lá comemos também um fondue muito bom em um lugar chamado Harmonie.

Einteinhaus

Fondue em Berna

O próximo destino foi Friburgo (Fribourg), cidade na qual um amigo da Elis mora. Esta é uma pequena cidade com uma parte antiga estilo medieval bem preservada. No mesmo dia, fomos para Gruyères, onde subimos o monte Le Moléson e fomos no Castelo de Gruyères (Chateau de Gruyères). Aliás, esta região é onde o famosíssimo queijo Gruyère é produzido.

Friburgo

Vista a partir do Le Moléson

No próximo dia, subimos os Alpes Suíços. Para isso, fomos de trem até Lucerna, e de lá até Engelberg, cidade aos pés do montanha chamada Titlis, uma das que possui neve perene.

Monte Titlis

Por fim, voltamos para Lucerna (Luzern), que é uma cidade muito charmosa.

Lucerna

Para facilitar um pouco a vida caso alguém vá para a Suíça, é o site do SBB CFF FFS (empresa de trens). Nesse site, você pode achar rotas e horários (incluindo plataformas nas estações) para qualquer lugar da Suíça. Além disso, você pode comprar também o Swiss Pass, que sai muito mais em conta caso você vá viajar bastante dentro do país (e dá desconto para museus e vários passeios).

Mais uma observação: os trens têm vagões de primeira e segunda classe, indicados pelos números 1 ou 2 na porta. Não que exista muita diferença entre as duas classes, mas se você for comprar bilhetes ou o Swiss Pass da segunda classe, cuidado para não sentar na poltrona da primeira!

Outra coisa: a moeda oficial da Suíça é o franco suíço (CHF). A cotação é aproximadamente 1 para 1 com o dólar, e 1,15 a 1,30 para o euro. Lá, a maioria das lojas (não todas! Cuidado!) aceitam euros, devolvendo o troco em francos, e a maioria das pessoas fala inglês em algum nível. O custo de vida também é relativamente alto, especialmente refeições.