Roupas para frio

Para aqueles friorentos que chegaram aqui no Japão, não têm roupa para o frio de cá e não sabem o que comprar, não se desesperem! Aqui vão as minhas dicas para as roupas de inverno!

Primeiros, quem vem para Tóquio deve saber que aqui não é tão frio assim no inverno. A mínima média de janeiro e fevereiro está em torno de 0°C. Mas para quem é realmente friorento (ou quem vai viajar para Touhoku ou Hokkaido), blusas brasileiras não vão funcionar muito. Então, aqui vai a dica de três tipos de roupas que existem na Uniqlo para vocês passarem o inverno quentinhos:

  • O primeiro deles são as roupas com a chamada “Tecnologia Heat” (ヒートテック). Basicamente, são roupas para serem usados por baixo, como camisetas e calças finas, que esquentam um pouco mais que roupas normais. É mais para fazer volume mesmo;
  • O segundo são as blusas de fleece (フリース), que são blusas com aquele tecido que parece de ursinho de pelúcia. São quentes e muito confortáveis;
  • O último são as blusas chamadas de Down (ダウン), que são feitas com penas de certas aves por dentro, e essas isolam bem o calor, além de cortar o vento.
Anúncios

Maid Café

Maid Café (メードカフェ) são restaurantes de cosplay que ficaram muito famosos no Japão. Neles, as meninas se vestem de maids estilo francês, com as saias longas cheio de babados e o avental, e recebem seus clientes como se fossem seus amos, no melhor estilo do “Bem-vindo de volta, meu amo” (「お帰りなさいませ、ご主人様」).

O centro das Maid Cafés é Akihabara, e hoje eu fui em um em que a Veru, amiga brasileira da Tiali, trabalha. O lugar se chama Popopure, e fica a uns 5 minutos da estação de Akihabara. Saindo pela saída Denkigai, atravessar a avenida seguindo a linha do trem pela direita, e virar na primeira direita, antes do Tokyo Leisure Land. O Popopure vai estar na primeira esquina à esquerda, no segundo andar.

Ok, os preços de Maid Café em geral são bem salgados. Um omurice (オムライス, ou arroz envolto por omelete) custou ¥1.200. Tirar foto com uma maid sai por ¥500, e é por sinal o item mais barato do menu. Lá, você pode também dar uma de dublador e tentar dublar um desenhinho animado com uma das maids.

Bem, o item mais tradicional que tem é de fato o omurice, que as maids fazem desenhos e escrevem mensagens em cima com ketchup. E se pegar alguma maid profissional que nem a Veru, o desenho sai muito legal!

Omurice com desenho em ketchup!

Antes de comer, tem que fazer também uma “mágica”: O famoso “Oishikunare! Oishikunare! Moe moe kyu!” (「おいしくなれ!おいしくなれ!萌え 萌え キュ~ン」) para a comida ficar mais gostosa! Faça um coração com a mão para o “Oshikunare! Oishikunare! Moe moe”, e depois um desenho de um coração na parte do “kyu”!

Conhecendo Tokyo: Kichijoji

Aproveitando o feriado, nós fomos a Kichijoji passear um pouco. Kichijoji (吉祥寺) fica nas linhas Keio Inokashira (井の頭線) e JR Chuo (中央線), e é um bairro da cidade de Musashino (武蔵野市) em Tóquio.

Kichijoji é uma região bem simpática. Ao norte da estação, existe uma área de compras bem legal, com ruas fechadas para o comércio, e ao sul está o Inokashira Kouen (井の頭公園), parque que está situado na divisa de Musashino com Mitaka (三鷹市) e de onde nasce o rio Kanda (神田川). Nesse parque acontece muitas performances de rua nos fins de semana e feriados – nós assistimos duas deles, inclusive, e foram apresentações muito legais! Eles são bem bons! E na parte sul do parque está o Museu do Estúdio Ghibli, que eu pretendo ir algum dia!

Foto do Inokashira Kouen na primavera

Depois de passear no parque, fomos jantar em um restaurante tabehoudai mexicano, o Mexico Ryouri Mondo (メキシコ料理モンド). Por ¥1.490, deu para comer bastante! E por ¥1.990, dá para pedir o tabehoudai com carne também.

Nabemono

Nabemono é um dos tipos de comida típica japonesa de inverno, consistindo basicamente de legumes, verduras, toufu, udon e/ou carne cozinhados em água ou em um caldo, normalmente à base de shoyu. Os nabemonos mais famosos são:

  • Sukiyaki (すき焼き): Carne, verduras e legumes, toufu, cogumelos, konnyaku, etc, cozidos em um molho de shoyu;
  • Oden (おでん): Nabemono vendido em konbinis (como o Seven Eleven do lado de Soshigaya);
  • Shabu shabu (しゃぶしゃぶ): O nome é uma onomatopéia que explica como é o prato – basicamente, você mergulha a carne na panela de água quente, fazendo “shabu shabu”, tira, coloca no molho e come. Do estilo de um fondue de carne;
  • Chankonabe (ちゃんこ鍋): O prato dos sumôs.

Um dos motivos de por quê nabemono é tão famoso é que além de gostoso, leve e quente, é fácil de fazer. Só cortar tudo e deixar tudo em um prato de uma panela de água quente, que as pessoas que comem são as responsáveis por cozinhar!

Hoje fomos para um izakaya em Chitose-Funabashi (千歳船橋駅), uma estação do lado de Sengawa, que é acessível a pé em uns 25 minutos, de táxi ou de ônibus que passa na frente de Soshigaya (e tem o nome “Chitose-Funabashi” no letreiro). Lá, resolvemos pedir um nabemonos individuais. Estava bem bom pelo preço!

O gyunabe da Adriana com o ovo bonitinho no meio

O único detalhe: eu sou uma negação na cozinha, então deixei o fogo alto demais, o caldo evaporou todo e as coisas começaram a grudar no fundo da panela! Mais um para a série “Kenji não sabe cozinhar“.

Exemplo de como não fazer: Caldo evaporado, ovo bagunçado, etc etc...